Interpretaçхes do Brasil

Interpretaçхes do Brasil
Autor: Antonio PaimAntonio Paim

Sinopse – Interpretaçхes do Brasil – Antonio Paim

O processo de constituição da historiografia brasileira ocorreu basicamente ao longo do Segundo Reinado. Contou com a participação de eminentes personalidades, agrupadas em torno do recém fundado Instituto Histуrico. Os brilhantes resultados a que chegaram devem-se não apenas а qualidade dos estudiosos –que terei oportunidade de referir expressamente adiante– mas também ao fato de que souberam se aproximar da teoria histуrica formada na Alemanha e que se coroa com a obra de Leopold Von Ranke (1795/1886). Na centúria seguinte, sofreu duas contestaçхes. A primeira seria da lavra dos tradicionalistas catуlicos, preocupados em eximir os jesuítas das críticas que lhes haviam sido dirigidas por aqueles fundadores. Tratava-se entretanto de homens de grande cultura que, se carregaram nas tintas nesse ponto, souberam preservar e desenvolver aquele legado. Tenho em vista nomes como Hélio Viana (1908/1886) e Américo Jacobina Lacombe (1909/1993), para citar os mais destacados. A segunda contestação proveio do marxismo-positivismo que se abateu sobre o país, ao longo do pуs-guerra. Poupados da crítica durante os vinte anos dos governos militares, valeram-se da circunstвncia para produzir, nos vinte anos subsequentes, toda sorte de disparates inimagináveis. Dominando cátedras universitárias e logrando ter alcançado posiçхes em diversos уrgãos de comunicação, estabeleceram no país um autкntico patrulhamento ideolуgico. Graças a isto, as iniciativas que tangenciam essa bitola estreita não chegam a prosperar. Valho-me de exemplos concretos. No ano de 2000, Lourenço Dantas Mota iniciou, na Editora SENAC, um projeto que poderia ter criado uma outra linha do que se poderia chamar de “interpretaçхes do Brasil”, de padrão estritamente acadкmico –de que darei notícia no capítulo seguinte– e que foi simplesmente abandonado. Algo de semelhante havia ocorrido na Universidade de Brasília, nos meados da década de oitenta. A abertura política teve ali o efeito paradoxal de instaurar “samba de uma letra sу”. O marxismo-positivista brasileiro tem se revestido de feição nitidamente totalitária. Não consegue admitir a existкncia de oposição аs suas sandices (o nome não é exagerado desde que não há ali idéias propriamente ditas). Foi-se o tempo em que havia no país “marxismo num clima ocidental de cultura”, parodiando a feliz expressão do eminente filуsofo marxista que foi Rodolfo Mondolfo (1877/1976). De modo que, ao reunir, nesta segunda edição ampliada de Interpretaçхes do Brasil (2000), os diversos ensaios que dediquei ao tema, no período desde então transcorrido, sinto-me no dever de deixar registrado que o espírito acadкmico e a honestidade intelectual sobrevivem neste país, em que pese a adversidade das condiçхes existentes. Para tanto selecionei duas linhagens, a primeira constituída basicamente de sociуlogos, que oferecem um quadro do país que, espero, venha a sobreviver quando da nação se apossar o inevitável cansaço –como diria Octávio Tarquino de Souza– do processo em curso de esterilização das consciкncias.

Interpretaçхes do Brasil – Antonio Paim

Por favor, compartilhe este livroShare on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

A informação nesta página está disponível apenas para referência.
Você pode comprar ou baixar este livro online - amazon.com.br