Virose

Virose
Autor: Lucas Barroso

Sinopse – Virose – Lucas Barroso

O ser humano é, antes de tudo, um crédulo. Não estávamos em 1918, quando a “gripe espanhola” matou dezenas de milhхes no mundo inteiro e até um presidente eleito, no Brasil. Estávamos um século de evolução da medicina а frente. Mesmo assim, houve alarmismo quanto а “gripe A”. Os mais informados e céticos afirmavam que existiam, é claro, motivos para preocupação, mas não para paranoia. As pessoas, porém, acreditaram que era algo seriíssimo. As pessoas gostam de acreditar. Aulas suspensas, frascos de álcool-gel em bolsas e pastas, filas para exames. Tudo isso para, pouco depois, os “especialistas” concluírem que a doença tinha a mesma gravidade da “gripe comum” e, inclusive, o mesmo índice de letalidade. Pois é. A histeria e o exagero humano, contudo, sempre podem ser denunciados, e é muito bom quando isso acontece via arte. Neste romance, por exemplo, acontece. Lucas Barroso, jornalista, está atento aos fatos, incluindo os superdimensionados. E usa-os muito como mote para o seu trabalho também de escritor. “Virose” é seu título de estreia e remete, sim, а epidemia de 2009. Mas ‘virose’ também está aqui no sentido metafуrico… o leitor perceberá, assim como as alusхes a outros fatos recentes, a exemplo dos oriundos das relaçхes internacionais e da lamentavelmente sempre atuante indústria das celebridades. E aquele mais atento também saberá identificar, na prosa de Barroso, as prosas que o influenciaram: a de Nelson Rodrigues – períodos curtos, ágeis; diálogos realmente prуximos da fala popular – e as de John Fante e Charles Bukowski – situaçхes que envolvem sexo, álcool e violкncia; personagens losers e/ou outsiders –, para citar sу trкs. Notará ainda a proximidade da estrutura da trama, a ligar personagens de lugares e condiçхes distintos, com a dos filmes do diretor mexicano Alejandro González Iсárritu. As referкncias de Barroso, enfim, são várias; afinal “nenhum homem é uma ilha”, sentenciou o grande poeta. Mas ele consegue pôr tudo no liquidificador e adicionar, é claro, um tempero pessoal. A narrativa é fragmentada, ora vai em primeira pessoa, ora em terceira, e carrega uma histуria cuja densidade não se revela de imediato. O leitor, se não for dos apressados, saberá adiante nas páginas que o estilo “filme policial” dos primeiros capítulos explica-se. E verá que os personagens são vívidos, com sutilezas psicolуgicas, e que o autor é capaz de observaçхes sagazes sobre seus comportamentos. Nas entrelinhas, encontrará ainda críticas pertinentes а sociedade brasileira, como no caso da passividade e da elasticidade ética. “Virose” é um livro ensimesmado e conectado ao mundo, ao mesmo tempo. Olha para dentro e para fora. Como todo bom romance. Nisso, pode-se acreditar.

Virose – Lucas Barroso

Por favor, compartilhe este livroShare on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

A informação nesta página está disponível apenas para referência.
Você pode comprar ou baixar este livro online - amazon.com.br